contextualizando o mimimi

ou: vamos fingir que ninguém notou que estou mais insuportável do que o normal.

porque eu estou, né. fazendo a licenciatura. daquele jeito. porque vocação ainda não passou por aqui mas vá lá. e eu fiquei muito satisfeita comigo mesma quando descobri que já havia feito quase todas as disciplinas e só faltava, basicamente, o terror final: 300 horas de prática de ensino.

fiz o que qualquer pessoa (?) sensata (??) faria: abandonei tudo o que não fosse urgente (e até algumas coisas que eram) para conseguir pegar o máximo dessas 300 horas ainda nesse semestre e o resto depois eu via. "depois eu vejo" é o mantra de toda uma vida, mas naquele momento específico parecia, sim, uma solução viável.

e aí o que acontece? eu não consegui começar a estagiar até hoje. e não sei se vocês têm acompanhado a folhinha, mas né. cabou abril já. e eu aqui de férias forçadas & eternas.

enquanto isso o sistema, que é LEGAL, manda avisos quase que diários a respeito do meu prazo estourado para me formar. e olha, total agradeço a atenção mas eu já tinha descoberto sozinha, sabe. terrorismo nessas alturas não ajuda. 
então pensei em fazer uma listinha do que ajuda, porque talvez assim, quem sabe, a humanidade comece a dar uma dentro comigo.

coisas que ajudam:
  • rodízios. eu nem quero saber do quê. só quero a sensação reconfortante de ter uma pessoa me oferecendo mais e mais e mais comida.
  • me levar pra beber (e tomar conta de mim).
  • combinar as coisas e efetivamente fazê-las. não queria? não sugira. é tão fácil quanto parece.
  • filmes bons. ou pelo menos filmes em que os personagens façam sentido. gente, se eu quiser incoerência vou ali ler meus diários.
  • entender que sim, eu estou pior do que a hiena hardy, mas preciso e mereço mimimizar até a fase passar, então por favor não me venham com mensagem motivacional que eu não tô podendo e falar de mim é fácil difícil é ser eu.

é difícil? nem é, vai.
então tá bom, podem começar a praticar. 1 2 3 e já.