eu tinha uma vida. tive e perdi.
era minha melhor amiga, e mesmo nas piores fases sempre havia um lugar para ir, um filme para ver, uma bobagem qualquer que me mantinha tranquila, íntima de mim mesma. eu era minha própria festa e ela não acabava nunca. nem quando ficava dramática. no máximo rendia alguns hematomas, uma dor de cabeça e mais histórias. 

é estranho quando você se dá conta de que não é mais a mesma. provavelmente nunca vai voltar a ser. e como isso acaba contaminando todo o resto, em algum momento.

sinto minha falta e não faço a menor ideia de onde fui parar, ou por que deixei uma pessoa tão insípida em meu lugar.