no início do século eu era bronzeada, tinha bochechas e acordava cedo aos domingos para entreter crianças de 2 anos num orfanato com toda a minha ginga de super nanny bêbada.


um dia eu cheguei ao terraço e havia apenas uma meia dúzia de crianças. as demais haviam sido devolvidas à ~família~, o que quer que isso significasse. mesmo aquelas que eram filhas de pessoas malucas e drogadas. mesmo as que voltavam das visitas familiares agressivas, magras e cheias de piolhos. devolvidas, da noite para o dia. duas semanas depois, fui barrada ao chegar para a visita. nunca soube quais foram as mudanças implementadas pela nova direção. mas não deviam ser muito agradáveis, ou não precisariam escondê-las.


quando encontrei essas fotos, lembrei na hora do nome de cada um deles, sem precisar olhar a legenda do álbum. eles foram a melhor parte da minha semana por muito tempo. hoje são adolescentes e possivelmente cruzam comigo na rua sem que eu os reconheça.

não sei o que foi feito deles, depois de tanto tempo. ou o que foi feito de mim.

é estranho.