semana passada, por razões que não consegui elucidar, cerca de 75% da população que vagava pela rodoviária esperando os ônibus atrasados estava bem bêbada. como eu sou essa pessoa cagada, É CLARO que o velho mais bêbado de todos obrigatoriamente precisava comprar o lugar ao lado do meu. "não sente ao meu lado" é coisa do passado, a moda agora é sentar ao meu lado com bafo de cachaça, reclamar, bufar, desmaiar, roncar e me dar tapas e cotoveladas durante sete horas de viagem. às 5 da manhã ligo pra casa para contar meu infortúnio e minha mãe ainda me zoa com um "tá vendo, quem manda ser pão dura. quis economizar os r$50 do ônibus leito e tá aí passando perrengue". e eu só conseguia pensar que se a criatura conseguia me incomodar tanto num ônibus comum, no ônibus leito ele ia tentar dormir de conchinha comigo, no mínimo. não tenho o desprendimento necessário para viajar deitada ao lado de gente que nunca vi na vida, cara. e olha, sô pão dura mermo, se é pra não-dormir prefiro ir no ônibus normal e investir os dinheiros sobressalentes em drogas pesadas tipo pastel e sorvete e chegar ao meu destino toda empenada porque o que é uma bunda dormente nessa altura dos acontecimentos, não é mesmo?

enfim, isso tudo foi apenas para dizer que semana passada nessas alturas da vida eu não tinha uma mala pronta, essa semana não tenho mala pronta nem passagem e/ou hora para embarcar.

mas vai dar tudo certo, né? cristo de borja proverá.