sabe, pode parecer que eu me acho meio mártir, tipo ~perseguida pela vida~, mas não. eu sei traçar uma linha exata entre causa e consequência pra cada vez que alguma coisa desanda, e claro, a culpa sempre é minha. 

a vida é minha, afinal de contas. a culpa seria de quem? mesmo que tenham me feito algo, pelo menos em 98% das vezes eu poderia

a) me esquivar
b) enfrentar e falar ALÔ, CHEGA DESSA MERDA
c) ignorar enquanto jogo casualmente o cabelo pro lado em toda a minha superioridade emocional

não ter escolha, realmente não ter escolha alguma, é muito raro.
mas eu prefiro agir como uma completa demente e dar murro em ponta de faca, e aí o que acontece? eu perco. eu perco toda vez, e na próxima rodada lá estou eu jogando igualzinho, num desafio inútil.

até acredito que algumas pessoas possam fazer o que der na veneta sem sofrer muito as consequências, mas pra isso elas precisam ter tudo sob controle e ser minimamente bem relacionadas. porque se você quer agir como uma lunática sem ter um plano b e além de tudo sendo sociopata, malzaê, minha filha, mas você vai tomar muito nesse cu. e quando as coisas saírem dos trilhos (e elas VÃO sair) não haverá uma alma que se importe em interceder a seu favor.

é muito deprimente SABER que eu poderia ter sido mais legal comigo mesma, poderia ter cuidado melhor de mim, e não o fiz. e que a falta de preocupação alheia é apenas um reflexo da minha própria, afinal se eu não me importo, por que alguém deveria? como posso esperar que alguém tenha cuidado comigo quando eu mesma não tenho nenhum?

muito tenso tudo isso.