existe um impasse. a questão tem dois lados. o outro lado pergunta o que você pretende fazer a respeito. como se fosse simples (não é), como se fosse justo oferecer apenas uma opção para uma situação complexa (também não é). como se não houvesse DOIS LADOS, enfim.

você então aponta para a desigualdade de condições e pergunta o óbvio: e eu? onde eu fico nessa história?
e o outro lado simplesmente ignora a pergunta. ignora a sua existência como um todo, pelo que entendi. já que nunca mais declarou nada sobre coisa nenhuma. 

puta que pariu, sabe. até um FODA-SE escrito com cocô no muro da minha casa seria mais digno do que invalidar meu questionamento, ignorando-o. como se fosse uma futilidade. um comentário que tirei do nada, e que portanto não vale nem a fadiga de uma réplica.

(o que por si só diz bastante a respeito de onde eu ficaria nessa história. eu sei. eu sei.)


é muita esculhambação simultânea. muita falta de... tudo. não dou mais conta dessa mão única fodida. de gostarem de mim, mas. de entenderem meu lado, mas.
mas não é suficiente. é isso que fica nas entrelinhas.  SEMPRE.

eu sou ok. só não sou nada além disso.

8 comentários:

  1. nunca ser o suficiente soa bem familiar pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas calma. Se serve de consolo, eu te acho genial e acho que nos daríamos bem.

      Excluir
    2. eu sou um gênio incompreendido, hahaha. ;)

      Excluir
  2. estou perto de me sentir tua irma gemea, Raquel. mas fodasse não somos Ok,somos do caralho.
    eles é que estão longe de perceber o que querem e atiram seus complexos para que está mais perto,numa tentativa de escapar das suas próprias falhas.
    Nestas situações imagino sempre um jogo de tenis ou ping pong.
    Atiramos a bola,do outro lado no nosso caso deixam cair a bola.
    over and over and over.
    às vezes há mais teimosia em querer perceber o porque de não pegarem na bola,do que apego aquela criatura que está emocionalmente noutro sitio ou em sitio nenhum.
    Sigamos jogando squash.

    ResponderExcluir
  3. mas eu sou toda apego. eu sou carente como um cachorro. eu não consigo, é terrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu também sou...este comentário também é um note to self - só ao fim de 12 anos de bola caida no chão é que me cansei do jogo.
      mas não estou livre deste vício.tenho de estar atenta pois a minha cabeça apaga as coisas más rapido e as boas ficam lá a brilhar,qual céu estrelado.
      tenhamos um pouco de fé.
      Ou então junta dinheiro e anda para Portugal!

      Excluir
    2. sim, eu entendo. esse blog inteiro é um grande note to self que jamais se cumprirá porque sou teimosa demais para aprender com meus próprios erros.

      mas minha cabeça jamais apaga as coisas ruins e acabo morrendo envenenada 3 vezes por dia.

      :(

      Excluir